By 

O novo panorama dos parques temáticos na China


A Shanghai Disneyland comemorou seu aniversário de um ano no dia 16 de junho de 2017. Nem mesmo Bob Iger, o todo poderoso CEO da Disney, previu o sucesso da maior empreitada da empresa nos últimos anos, que em 12 meses recebeu mais de 10 milhões de visitantes, e já entrou na lista dos 25 parques temáticos mais visitados do mundo em 2016. O parque, porém, não deve reinar sozinho por muito tempo na China. A Shanghai Disneyland logo enfrentará uma forte concorrência, segundo levantamento do jornal local South China Morning Post.

Diversos parques temáticos serão inaugurados em Xangai e região nos próximos anos, e querem aproveitar o mercado inaugurado pela Disney. O primeiro será o Shanghai Polar Ocean World. Projeto de 3 bilhões de yuans (cerca de 440 milhões de dólares), ele está programado para abrir em julho do ano que vem. Localizado a cerca de 30 minutos de carro da Shanghai Disneyland, o parque deve atrair cerca de seis milhões de visitantes por ano – metade do que a Disney de Xangai teve em seu primeiro ano.

Ainda nos arredores de Xangai, a cerca de uma hora de carro, ficará o Ice World. Com inauguração prevista para 2019, este será o maior parque de esqui coberto do mundo. O mesmo local se tornará, em 2022, lar da primeira Legoland da China.

Mas a concorrência não se restringe à Xangai. Investidores e desenvolvedores de parques estão se direcionado para o leste do país, com o objetivo de aproveitar a riqueza local dos moradores, em busca de lazer e entretenimento. Na província vizinha de Jiangsu, o Lotte Group, da Coréia do Sul, iniciou o desenvolvimento de um parque indoor, enquanto na província de Zhejiang, o Six Flags constroi seu primeiro parque fora do continente americano.

A gigante chinês de entretenimento e imobiliária Wanda Group não quer ficar de fora deste novo panorama. Dona de lojas, hoteis e da maior cadeia de cinemas do mundo, o grupo comprou briga com a Disney no ano passado em declarações polêmicas contra a empresa, e promete inaugurar QUINZE parques temáticos no país nos próximos anos. O primeiro vai “rivalizar com a Disneyland no Delta do Rio Yangtze em termos de escala e tecnologia”; um parque temático de 21 bilhões de yuans (3 bilhões de dólares), que está programado para abrir no ano que vem na cidade de Wuxi, a cerca de 130 km de Xangai.

“Esses novos projetos devem tirar alguns visitantes da Shanghai Disneyland, com certeza”, afirmou o professor Yao Kunyi, especialista em turismo da Universidade de Negócios e Economia de Xangai. “Porém, o Delta do Rio Yangtze é rico e nele nunca faltarão visitantes. Tudo vai depender se cada parque temático poderá fornecer produtos e serviços distintos o bastante (para atrair estes visitantes). Os turistas chineses estão ficando mais exigentes. Eles estão preferindo coisas novas e descartando coisas antigas”.

O que atrai os parques temáticos para a região

O Delta do Rio Yangtze é uma das regiões mais ricas da China, e está ficando cada vez mais rico, de acordo com especialistas locais. Com uma população de 330 milhões de pessoas, seus indicadores econômicos, tanto para gastos pessoais quanto para o consumo de turismo, cultura e entretenimento, também estão em ascensão, tornando-se um terreno fértil para parques temáticos.

Em termos ecônomicos, quando o produto interno bruto (PIB) per capita de uma região supera 5 mil dólares, a economia de turismo e férias ficará bem. O PIB per capita de Xangai no ano passado foi de quase 114 mil yuan (16 mil dólares), bem acima do indicador mencionado.

O desejo de surfar na onda de sucesso de outros desenvolvedores também contribuiu para a abundância de parques temáticos planejados para Xangai e arredores. Um especialista da Academia Nacional de Estratégia Econômica afirma que “Muitos parques temáticos chineses apenas copiam parques estrangeiros de sucesso, mas, ao contrário destes projetos, não conduzem pesquisas sobre características e comportamento dos visitantes”. Com isso, dos mais de dois mil parques temáticos atualmente em operação em toda a China, apenas 10 por cento estão tendo lucros.

Shanghai Disneyland durante a construção

A crescente concorrência, então, não será necessariamente um fator ruim para o crescimento da Disney na China. Como a empresa bem aprendeu nos pólos de parques temáticos de Orlando e na Califórnia, a concentração de diversos parques em uma região ajuda a projetar a imagem de Xangai como um centro turístico global neste quesito. “A concorrência tem sido uma realidade neste negócio desde que Walt criou a Disneyland, e acreditamos que a marca Disney – oferecendo entretenimento familiar de alta qualidade – nos separa de nossos concorrentes, tanto na China como em todo o mundo”, afirmou um porta-voz do Shanghai Disney Resort.

O resultado para parkaholics é definitivamente positivo. Além de proporcionar uma oferta maior de parques temáticos em uma só região para visitar, a concorrência leva a melhores serviços e constantes reformas e novas adições aos parques já existentes. Tanto que, poucos meses depois da inauguração, a Shanghai Disneyland confirmou a construção de uma nova área. A Toy Story Land será inaugurada no ano que vem, ainda sem data exata.


VEJA TAMBÉM

Disney cria tecnologia para deficientes visuais “sentirem” shows de fogos de artifício
November 21, 2017
International Festival of the Arts retorna ao Epcot em janeiro
November 16, 2017
Mickey celebra aniversário mais uma vez nos parques Disney
November 03, 2017
Pixar invade o Disney California Adventure em 2018
November 03, 2017
Disney Hollywood Studios terá restaurante inédito na Toy Story Land
October 26, 2017
TOP 5 – Atrações novas nos parques de Orlando em 2018
October 19, 2017
Stitch Encounter (Shanghai Disneyland – Tomorrowland)
October 18, 2017
Eye of the Storm: Captain Jack’s Stunt Spectacular (Shanghai Disneyland – Treasure Cove)
September 28, 2017
Como a Disney usa o Big Data para melhorar a experiência dos visitantes
September 20, 2017

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *